domingo, 30 de agosto de 2009

Na Telinha

Meu Nome Não é Inocência

Opa... essa semana foi bem puxada pra mim... Com a finalização do meu TCC, a internet foi única e exclusiva para movimentá-lo. Mas como não consigo ficar longe "daqui", eis que em meio de uma aula maçante, após a apresentação do meu grupo, estou aqui. Detalhe, estou de frente para a professora (iniciei esse post na sexta-feira a noite, no meio da sala de aula)!!! rsrsrsrs Mas vamos ao que interessa...

Há tempos queria falar sobre um dos melhores filmes nacionais - Meu Nome Não é Johnny, mas por ter passado algum tempo com relação à seu lançamento e o surgimento de outros, achei que não teria relevância. Mas há duas semanas, assisti (também muito bom) Reflexos da Inocência e a partir daí pude comparar as duas produções.

Particularmente, odeio qunado falam que os filmes brasileiros não prestam!!! Chega ser engraçado as pessoas entrarem na locadora e quando eu indico um filme nacional bom alguém dizer: "Não gosto de filmes nacionais!"

Como uma pessoa pode falar que não gosta daquilo que não viu? É certo que tais filmes já tiveram seus momentos decadentes, mas hoje a realidade é outra! Mas falarei sobre isso em uma outra oportunidade...

Meu Nome Não é Johnny é um excelente filme, que nos faz pensar se vale mesmo a pena viver cada dia como se fosse o último, assim como Reflexos das Inocência. E a diferença entre as duas produções são as cenas de sexo... Para aqueles que vivem criticando a nudez em filmes nacionais, Reflexos fica com o prêmio! Logo de cara o filme surge com uma mega cena de sexo, drogas e rock in roll.

Vale destacar a atuação de Rafaela Mandelli que em todas as chamadas do filme brasileiro, não ganhou nenhum destaque. Perfeita... principalmente na cena dentro do Ministério Público. Outra parte bacana, é o João Estrela cantando uma música do Roberto Carlos, numa festa regrada a muita cocaína.

Já em Reflexos da Inocência, o destaque fica para para os protagonistas Daniel Craig (que vem arrebentando em todos os gêneros da ficção) e Harry Eden, onde cada um soube dosar de maneira certa cada fase do problemático Joe.

Bom, vou ficando por aqui, pois a facul continua me chamando.
Boa semana!

Um comentário:

  1. Olá, tudo bem? Assisti Meu Nome Não é Johnny e não considero ser um "graaaaande filme"... O sucesso do longa mostra como a droga se dissiminou na sociedade... Uma pena.. Abraços, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir

Aguarde, em breve seu comentário será aprovado... Lembre-se que este espaço é visitado por pessoas de todas as idades e credos, por isso, comentários que ofendam a moral e os bons costumes serão rejeitados. Enquanto isso, aprecie sem moderação!